Comunicação e responsabilidade social

27 de dezembro de 2012, por em Artigos, Comunicação

São muitas as evidências de que os indicadores de desenvolvimento estão sendo repensados de forma a considerar o bem-estar das pessoas e a sustentabilidade do planeta. Com a ampliação do acesso aos meios de comunicação e a agilidade na troca de experiências e notícias, a sociedade venceu barreiras geográficas e passou a ter um olhar mais abrangente sobre o desenvolvimento, acompanhando de perto diferentes culturas e mercados.

A necessidade de uma responsabilidade compartilhada sobre as questões do desenvolvimento sustentável reforça a importância do cidadão, considerando que o ser humano é o principal agente de todas as iniciativas, sejam elas empresariais, governamentais, institucionais ou individuais. Essa consciência cidadã cria um ambiente de responsabilidade social capaz de estimular indivíduos e instituições, de origens diferentes, em torno de assuntos que interessem ao bem comum.

Responsabilidade Social é um conjunto de valores referentes as decisões e atitudes do cotidiano, podendo ser abordada nos pilares individual, coletivo e empresarial. A responsabilidade social empresarial é um exemplo que recebe cada vez mais estímulos do consumidor e do mercado para fortalecer suas atividades, considerando que as empresas possuem um poder de articulação e uma capacidade de gerar recursos que fortalecem as oportunidades de atuação complementar com a sociedade civil organizada e com os governos. Esse ‘diálogo intersetorial’ contribui de forma estrutural para o desenvolvimento sustentável e reforça a importância de todos os setores na articulação dos resultados.

A comunicação estratégica é a plataforma para o diálogo intersetorial, tendo como desafio estruturar informações e meios que estimulem o relacionamento entre os interessados e direcionem o senso crítico para uma postura mais comprometida com os aspectos sociais, ambientais, econômicos e culturais do desenvolvimento. Adotar o caminho da responsabilidade social é ir além do discurso e investir no diálogo, otimizando os recursos e buscando interesse comum, senso de confiança e reciprocidade.

Por Graciana Rizério_ Consultora em comunicação estratégica e elaboração de projetos socioambientais -grizerio@gmail.com.br / www.magrelacomunicacao.com.br