Consumo consciente: Por onde começar

23 de novembro de 2016, por em Artigos, Sustentabilidade
Consumo consciente: Por onde começar

Seria pouco provável encontrar alguém contrário à preservação do meio ambiente. Em geral, todos concordam com a necessidade de se utilizar mais racionalmente os recursos naturais, gerar menos lixo e poluir menos o ar e a água. Todos desejam um planeta mais limpo e saudável.

Mas, se isso é desejo de todos, ou pelo menos da grande maioria, porque é tão difícil transformarmos essa intenção em prática?

Normalmente, não nos vemos como parte da solução do problema. É mais confortável pensar que essa responsabilidade cabe apenas aos governantes, aos legisladores e à justiça, ou seja, a solução não está em nossas mãos. Não nos vemos como elementos ativos dessa questão. Não pensamos que nossas atitudes diárias têm grande impacto no ambiente.

Mudar o padrão de consumo – Entretanto, nossos hábitos e costumes interferem diretamente na forma com que os recursos naturais são utilizados. Não existe bem de consumo que, em seu processo produtivo, não precise de água ou energia. Atualmente, essa situação fica ainda mais grave, pois o consumo é intensamente estimulado e a cultura da ostentação cada vez mais presente.

Somos contra o desmatamento, mas quantos de nós, ao comprar produtos florestais, nos preocupamos com sua origem? De onde vieram as madeiras que produziram nossas mesas, camas e armários? São de origem legal ou de desmatamento clandestino?

Queremos um ar puro, mas quantos de nós observamos a poluição emitida por nossos carros e motos?

Revoltamos com a quantidade de resíduos nos aterros, mas quantos de nós refletem sobre o excesso de lixo que produzimos? Em muitos presentes que compramos, o embrulho é muito maior do que o produto e vai imediatamente para o lixo. Parece que a embalagem é mais importante do que o que vem dentro dela…

Queremos rios limpos, mas quantos de nós sabem para onde vai o esgoto de nossas casas?

Buscar a origem dos produtos Mas não é somente na hora de comprar que o consumidor pode mostrar sua atitude. Ele pode comprar somente aquilo de que realmente necessita, o que de fato lhe será útil. Ao consumir, fazer com que os produtos durem mais e, ao descartar, separar os materiais recicláveis e destiná-los da forma correta. É necessário refletir sobre os impactos que nosso padrão de consumo causa na natureza.

É possível fazer mais, como dar preferência a produtos de empresas que têm uma clara preocupação com o meio ambiente, não compactuar com a ilegalidade, colaborar para reduzir a quantidade de lixo produzido, evitar o desperdício e a compra de produtos com embalagens inúteis ou que demorem a se decompor. Dar preferência a materiais reciclados, saber identificar as empresas que são éticas em seu relacionamento com os consumidores, os trabalhadores, os fornecedores, a sociedade e o Poder Público. Essas são algumas das ações do consumidor consciente.

Eis a lição: Consuma sem consumir o mundo em que você vive. Pequenas atitudes podem mudar grandes coisas!

Emiliano Lôbo de Godoi
Professor, doutor da Escola de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Federal de Goiás (UFG)
emiliano@ufg.br