Parceria na gestão do lixo beneficia regiões de ecoturismo

5 de fevereiro de 2016, por em Boas práticas, Lixo
Parceria na gestão do lixo beneficia regiões de ecoturismo

Iniciativas para uma melhor gestão do lixo são crescentes nos grandes centros e também em municípios e distritos da zona rural, onde a sociedade se organiza para enfrentar os desafios e dar destinação adequada aos resíduos que gera.

A cadeia produtiva do lixo precisa ser pensada por parceiros que promovam a educação ambiental, a conservação do meio ambiente, a inclusão socioeconômica dos catadores de materiais recicláveis e a articulação com a indústria recicladora.

Esse é o caso do município de Conceição do Mato Dentro/MG, conhecido destino do ecoturismo, que desenvolve projeto de coleta seletiva em parceria com o governo municipal, grupo empresarial Anglo American, Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR) e Associação de Catadores de Materiais Recicláveis (Ascamato).

Conceição do Mato Dentro faz parte do Consórcio Público Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Região do Médio Espinhaço, juntamente com os municípios de Dom Joaquim e Alvorada de Minas. Os três se uniram com o objetivo de fortalecer as ações de gestão dos resíduos, buscando melhorias e economia na aquisição de equipamentos e na prestação de serviços.

Outro exemplo de parceria na gestão do lixo em região de ecoturismo é o do distrito de São Jorge, em Alto Paraíso de Goiás. Com cerca de 800 habitantes e uma estrutura de bares, restaurantes e pousadas, o vilarejo é localizado em frente ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e também enfrenta desafios para dar uma destinação adequada aos resíduos sólidos.

O vídeo Recicle São Jorge, produzido pelo projeto Terra e Paz, relata a experiência de um empreendedor local que implantou a operação da coleta seletiva e destinação do lixo reciclável no distrito. O modelo da coleta seletiva adotado faz a distinção de três tipos de resíduos: reciclável, orgânico e rejeito. A fração orgânica é aproveitada na usina de compostagem da região, que transforma o resíduo e o comercializa como adubo de plantas. Os resíduos recicláveis são encaminhados para Brasília/DF e Formosa/GO e os rejeitos vão para a destinação final em Alto Paraíso, com volume significativamente menor do que antes de implantada a coleta seletiva.