Consumo e lixo: um numa ponta, outro noutra

5 de setembro de 2014, por em Consumo, Lixo
Consumo e lixo: um numa ponta, outro noutra

Está posto que o consumo gera o lixo e este será maior ou menor em função de nossas escolhas e do modo de vida que adotamos. A alegria e felicidade que muitos consumidores sentem ao comprar é o oposto do cenário do lixo, onde se encontra o produto depois de ter sido cumprido seu período de utilidade.

Mas depois que a coisa vira lixo, começa um novo capítulo da trajetória do consumo, que é a destinação ambientalmente adequada dos resíduos. Sociedades que geram muito lixo é porque consomem muito também. Quando o volume de lixo é grande, sua destinação também será mais difícil e complexa. Supondo que tudo corra 100% bem com o nosso lixo, ou seja, que no início do processo ele passe pela coleta seletiva e que tudo que for possível de ser reciclado vá para a reciclagem, ainda restará um bom tanto que não tem aonde pôr, a não ser nos aterros sanitários.

Os aterros sanitários são um problema para a população e para os gestores públicos. Além do mais, são poucos e estão abarrotados de lixo. A extinção deles é uma necessidade que está dita na Política Nacional de Resíduos Sólidos. A disseminação do consumo consciente é fundamental para mudar esse cenário.

O Instituto Akatu propõe um roteiro para ajudar o consumidor a tomar decisões de compra conscientes, e o blog do lixo mostra tudo o que é possível ser transformado, reciclado e renovado em sua vitrine Gaia de produtos sustentáveis.

 

O consumidor deve optar por:

  1. Produtos duráveis, mais do que pelos descartáveis ou de obsolescência acelerada.
  2. Produtos cuja produção seja local, regional, mais do que global.
  3. Produção, produtos e serviços que sejam social e ambientalmente sustentáveis.
  4. Produtos na versão virtual, mais do que na física.
  5. Adotar o compartilhamento de produtos, mais do que a posse e o uso individual.