Reciclagem prolonga vida útil de matéria-prima

21 de agosto de 2015, por em Lixo, Sustentabilidade
Reciclagem prolonga vida útil de matéria-prima

Descartar embalagens longa vida no lixo comum representa um verdadeiro desperdício de recursos naturais e monetários, considerando que na fabricação delas é empregada tecnologia de ponta, justamente com o fim de permitir que sejam 100% recicláveis.

O descarte aleatório dá cabo ao ciclo de vida dos materiais utilizados em sua fabricação como o papel, o alumínio e o plástico, ao mesmo tempo, interrompendo uma cadeia de processos que beneficiaria toda a sociedade. Esses componentes poderiam voltar aos centros produtivos na forma de matéria-prima, caso fossem encaminhados para as indústrias que fazem a reciclagem.

Caminho certo – Uma das experiências bem sucedidas para o reaproveitamento dessas embalagens foi desenvolvida pela empresa Tetra Pak, que criou o programa Rota da Reciclagem, um sistema que aponta a localização e o contato das cooperativas e dos pontos de entrega voluntária de materiais recicláveis e comércios ligados à cadeia da reciclagem de embalagens longa vida no território nacional.

A dificuldade de dar destinação ambientalmente adequada às embalagens longa vida está na abrangência da coleta seletiva e na falta de indústrias especializadas na transformação desse tipo de resíduo. Há ainda o fato de poucas capitais terem postos de coleta de produtos possíveis de serem reciclados. Atualmente, 35 indústrias reciclam as embalagens da Tetra Pak. Elas estão localizadas nos estados de São Paulo, Santa Catarina, Pernambuco, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Bahia e Distrito Federal.

Embalagem longa vida – Compostas de papel, alumínio e plástico, essas caixas criam uma barreira que impede a entrada de luz, ar, água, micro-organismos e odores externos, preservando por mais tempo alimentos como leite, sucos e molhos de tomate. Elas também dispensam refrigeração e permitem que produtos perecíveis sejam transportados em longas distâncias, sem estragar.

A tecnologia desenvolvida para a embalagem permite que toda ela seja reciclada. O processo potencializa o uso de recursos naturais demandados na produção. O resíduo do produto passa a ser sua própria matéria-prima.

Esse conjunto de aspectos que ao final resultam em poupar o meio ambiente da retirada de mais recursos naturais para a produção é o que agrega valor a um produto.


Márgara Morais
Jornalista, editora do Blog do Lixo
margaramorais@gmail.com