Reaproveitamento do óleo de cozinha beneficia comunidade

8 de Janeiro de 2016, por em Boas práticas, Sustentabilidade
Reaproveitamento do óleo de cozinha beneficia comunidade

Em Crixás, região Norte de Goiás, uma experiência com a destinação ambientalmente adequada do óleo de cozinha usado uniu uma empresa, a mineradora Serra Grande, e a comunidade local, em um projeto de resultados abrangentes.

A empresa precisava dar fim ao óleo de cozinha utilizado em seu restaurante interno, enquanto que algumas moradoras da cidade tinham interesse em coletar esse tipo de óleo para fazer sabão. Com base nessa afinidade firmou-se a parceria que mais tarde tomou corpo de projeto, tendo o apoio da empresa para a criação de uma fábrica de sabão.

A iniciativa gerou emprego e renda para mais pessoas da comunidade. O grupo de mulheres que estava à frente do negócio começou a desenvolver um trabalho de conscientização com os demais moradores e acabou que grande parte da população se envolveu na campanha, passando a ser doadora de óleo usado para a fábrica. Os processos de fabricação foram aprimorados, possibilitando a ampliação de uma linha diversificada de produtos baseados no sabão.

A iniciativa acabou resultando em um exemplo de economia criativa e solidária e de como é possível reaproveitar um resíduo prejudicial ao meio ambiente, como o óleo de cozinha.

Poder de contaminação

Ainda é comum as pessoas despejarem o óleo de cozinha usado na pia, por não saberem como descartá-lo, mas, principalmente, por desconhecerem os danos que tal atitude pode causar ao meio ambiente, por extensão, à população em geral. Quando entra pelo esgoto, o óleo pode comprometer todo o sistema de tubulações da rede. Composto por substâncias insolúveis em água e no contato com outros resíduos, o óleo vai formando placas de gordura consistentes, responsáveis pelo entupimento.

Pode também contaminar o lençol freático, e se for despejado nos rios, causar a morte de seres vivos essenciais aos rios. Descartar o óleo de cozinha usado de forma adequada é, em última instância, uma questão de segurança ambiental. O óleo deve ser armazenado em garrafa PET e encaminhado aos postos de entrega voluntária, criados para esse fim.